terça-feira, 29 de novembro de 2011

Dissertação sobre algo.

Naquele instante tudo pareceu fazer sentido, todos os segundos vividos, todas as palavras proferidas, todo o ar inspirado, todos os passos dados. Aquele instante onde tudo o que pensas ser não o é. Aquele momento em que sabes ter sido tão cego durante a vida. Mas o momento não passa de isso mesmo, de uma memória que te lembras com um sorriso, algo que existe no passado com tudo o resto. Tudo o resto que define exactamente o que és.
Este tema, a definição do que sou, tem me ocupado os pensamentos, a razão e o coração nos últimos tempos. O que senti, o que traduzi para palavras, o que escrevi a fogo no meu corpo e na minha mente desde que tenho memória continua a ser verdadeiro, na sua essência. O que quer que o ser humano acredite ou não sobre si próprio, é sempre o que mais o define e é a realidade para ele. Agora se acredito, logo sou, ou se é mera coincidência cada batimento do nosso coração, cada verdade que expõe as nossas entranhas, isso ninguém sabe. O primeiro pensamento totalmente consciente é tão importante como o último porque ele é, foi e será imutável.
Apesar de considerar que estou em paz comigo próprio, existem situações em que não sei como reagir, não sei o que dizer, fazer ou sentir. Pergunto-me, incessantemente, que se um dia com alguém outro, fora de ti, descobres que são mais semelhantes do que ele quer acreditar ou tu queres admitir, o que fazes? E se percebes que os medos são os mesmos? Que as notas musicais com que vives são cópias exactas das suas? Todos precisamos de um abraço, físico ou não,  que nos transmita que alguém nos entende. Mas que consequências poderia isso vir a ter?

Eu optei por estar calado e não me mover quando te calaste e abriste a alma para mim mesmo sem quereres. Quem quer que ainda leia isto, por favor não o faça, porque podemos perder bocados de nós para sempre se não amarmos totalmente.


2 comentários:

GotchyaYinYang disse...

Tens o meu abraço, apesar de não ser o mesmo...

Ps. Não consigo comentar o novo blog... Diz que não tenho permissão (?) :(

Firefly disse...

Este texto ficou muito confuso... Até era uma mensagem positiva o que eu queria passar.
Obrigado =)

Não percebo porque não consegues comentar o outro blog... Lemme check!