quarta-feira, 28 de setembro de 2011

O caminho

Há uns anos atrás eu perdi-me. Perdi-me no caminho da vida, perdi-me de mim e perdi-me de ti. Perdi o que mais importava para mim, o que mais importa para mim. Deixei tudo para trás, como se nada valesse a pena na minha vida. Deambulei, e fiz o que fui ordenado, achei uma forma de fugir daqui, de mim, da minha vida. Não tive qualquer outra opção, não acreditei ter qualquer hipótese. Qualquer menção do teu nome fazia-me doer como nem imaginas, qualquer noticia de que a vida estaria a continuar abria feridas no meu peito. Um dia recebi uma mensagem, muito pouco depois de ter partido, que me abriu os olhos, me fez perceber que existem pessoas, mais pessoas, bem mais importantes para mim que eu próprio. Se por um lado esta chapada na cara foi um acordar, também foi um morrer. Deixei-me levar, como se eu não tivesse qualquer importância, como se o facto de andar e respirar fossem mais que suficientes para viver. Tanto me deixei levar que cai exactamente naquilo que mais repugna me dá: em alguém que precisava de companhia, só por dizer que a tinha. Claro que eu tive culpa a dobrar, para além de saber à partida que estava com alguém que me queria dessa forma, também estava com ele apenas para me sentir um pouco menos sozinho e mais pertencente a este mundo. Mas obviamente isso ainda me levou por um caminho bem mais negro, que é melhor guardar para mim. Felizmente toda a verdade veio ao de cima no final, e assim tudo mudou. Não foste tu quem me deitou fora, foi uma escolha minha desde o inicio. Voltei finalmente, voltei com um sorriso que não é meu. Mas pelo menos estava bem perto de quem queria e quero abraçar. Foi então que percebi que esta viagem foi necessária, para me conhecer, mas principalmente para voltar a sentir. Encontrei-me agora, neste instante. Encontrei-me e não me quero voltar a perder, mas será isso que vai acontecer provavelmente. Talvez seja esse o ciclo da vida. Tenho medo de perder-me no caminho novamente, muito medo. Mas uma coisa aprendi durante estes últimos 4 anos: há sempre luzes, estrelas, no meu caminho, e sei que por muito que corra ou me queira esconder, vocês vão estar lá para mim. E se eu cair, uma vez mais, não me vão criticar mas sim ajudar. Porque é assim que nos podemos ajudar, porque é esse o verdadeiro sentido da amizade: algo cujo valor é impossível de quantificar, algo que não pode ser descrito por meras palavras.

3 comentários:

Rute disse...

<3 I'll be just here.

Cause you know: "Por muito que o vento sopre, a montanha não verga." ***

Pedro José disse...

Por vezes para chegarmos a um sítio temos que passar necessariamente por um caminho. Que nos doi e cansa. Mas o importante é chegarmos lá. A esse sítio. Completos e maiores.

Forte abraço =)

GotchyaYinYang disse...

Seja positiva ou negativa, a experiência é sempre importante para nos conhecermos melhor e tentarmos crescer com as conclusões finais, com os erros e com os sucessos. I'm proud of you :) Tiveste muita coragem e isso é fundamental!