quinta-feira, 15 de março de 2007

Puchuu com problema de gigantismo e que mia.

A cinza voa. Voa com a brisa que passa. A brisa não repara na lágrima que lentamente corrói a relva, queimando-lhe a vida. Mas que importa isso? A brisa leva, lentamente, a cinza para longe. Uma mancha laranja se ergue, muito pequenina... Tem uns olhos gigantes, negros com pontinhos brancos como o céu estrelado na noite mais escura. Porque? Porque os olhos prendem dentro de si dois universos distintos, tão grandes quanto o meu e o teu. Os universos crescem, rodam, encolhem, multiplicam-se, criam, destroiem... tal não é o seu dinâmismo. Um pequeno bico amarelo no meio dos seus olhos gigantes, mia e estremece ao tar em contacto com a brisa... que continua a não reparar na lágrima.

4 comentários:

e.t. disse...

Tens uma forma muito interessante de escrever...sim senhor!
E é igualmente interessante tentar imaginar e vislumbrar dentro da cabeça as coisas que vais descrevendo com o avançar do post..=)

Firefly disse...

Muito obrigado!!! =)
Pelo menos não me achas estranho... LOL

Hug! =)

e.t. disse...

Estranho não acho...acho sim interessante! E além disso, cada pessoa tem o direito e a liberdade de se exprimir como bem entender...lol..mesmo que seja algo mais fora do comum. Mas não é por isso que ficas logo rotulado de estranho ;)
Que venham daí mais posts como este! Assim creativoos =)

Hugzz =)

devlin disse...

A lágrima acaba por evaporar e o bico incauto acaba por se aperceber que a brisa suave é apenas isso, uma passagem ao de leve que nos ajuda a acordar para a vida e que nos levanta quando estremecemos. Por vezes podemos achá-la forte ou turbulenta demais, mas acabamos sempre por nos aperceber do contrário.

:x