segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Ensina-me a não sentir

Dentro de mim existe algo, uma semente ou um ser, um monstro com certeza. Um monstro que cresce de dia para dia, permitido apenas pelo meu silêncio. Um monstro que me lambe as feridas amargas, um monstro que me devora por dentro. E eu ofendo-me com cada dentada, e eu grito sem cordas vocais, mas deixo-me mastigar e de seguida cuspir. E ele cresce, cresce agora que não deveria crescer, no meio das dúvidas e certezas prováveis, vermelho e negro, na sombra do meu coração. A luz fere-lhe os olhos cegos de sangue e ele crava as unhas ainda mais fundo em mim, alimenta-se no vácuo do lugar que ocupas e crava o teu nome nas minhas paredes. Um dia, sem mais alimento, ele vai começar a comer-se, e cuspir-se, vai matar a felicidade tal como tudo o que existia à sua volta. Até nada existir, até eu nada ser.


4 comentários:

Rabisco disse...

De que estás à espera?
Só depende de ti espantares o monstro...se assim o quiseres e matares esse silêncio que o alimenta.

Abraço grande

http://rabiscosincertossaltoemceuaberto.blogspot.com/

Alisson Martins disse...

Ótimo o post, que texto mara... :)
Estou seguindo já...
http://brilhodosoool.blogspot.com
Confira e se gostar, siga. Besos

GotchyaYinYang disse...

Esse monstro está muito bem descrito. E de certeza dentro de todos nós. Damn it!

Firefly disse...

<3