sábado, 25 de junho de 2011

Dia 5 de Verão

Sinto o teu tremer enquanto te aproximas da minha pele. A minha pele? Porque tremes ao sentir a minha pele? Porque tremes de todo? Nada sou comparado ao brilho dos teus olhos, ao teu sentir, ao teu respirar, ao teu toque, ao teu coração que bate como alguém que se enamora pela primeira vez. Eu é que devia tremer, tremer por te ter ali, ao meu lado, fazendo parte de mim, como eu faço de ti. Mar e terra, sempre juntos, permitindo a vida, girando incessantemente no nosso mundo, na tua estrela, no teu sonho, no meu mundo.

Um comentário:

Ana Pena disse...

Oh Meu Deus! ...