quinta-feira, 14 de maio de 2009

O feiticeiro

Sou acordado a meio da noite, com gritos e luzes. Tambores outonais secos batem distantes, ao longe. Levanto-me com sabor a mel na boca, procuro causa e efeito de tal ruído. Penas de pavão na cama, ao meu lado estão. Sangue me cobre o corpo. Saio e caminho, de pés descalços na terra húmida. As criaturas da noite, da solidão, acompanham-me, libertam-me e gritam comigo. É então que numa clareira tu te encontras. E os tambores soam, e as aves cantam, e palmas rítmicas arrancam a minha Razão. Levanto as mãos, os braços, nu, e danço em teu redor. Corpóreo e etéreo, sabes a mel quando te lambo. Colocas um colar de penas de pavão ao meu pescoço, um veado e um urso em dor eu sou.
E desejo ardentemente o teu corpo. E rasgo a carne das mãos escavando a terra crua para ti. E tu te ajoelhas, olhar de amor eterno, olhar de paixão, com as tuas lágrimas a escorrerem pela face, e misturando-se com o odor do teu corpo. As criaturas da noite gritam mais alto. Aperto-te o pescoço para te asfixiar enquanto sonho pesadelos gelados. Arrepio e desisto. Bebo o teu sangue das tuas próprias mãos. As fogueiras jogam sombras de deuses desconhecidos ao nosso redor. Sou o teu escolhido, sou o teu Deus. Somos estrelas que dançam nas sombras. Pinto-me com o teu sangue. Visto-me com o teu odor, és o meu troféu. Mas quando nas mãos erradas, quando um Homem qualquer te toca, perdes o Céu que sinto nos teus braços. E o meu corpo encolhe-se enquanto a justiça me rasga o coração. Não és mais que uma estátua, um pó que se desfaz ao toque. E sem olhar para trás, deixo-te na escuridão que me abraçou quando te deixei. E volto a me deitar com as penas de pavão e o teu sangue colado ao meu corpo.

7 comentários:

Porcelain Doll disse...

Uauuu!! :D Brrutall!! :) Negro e sensual... de mestre!! Sinto-me inspirada!! :D Mas acho que levarei o meu tempo a conseguir produzir um texto que una estes dois ingredientes tão difícies de combinar, sobretudo com mestria, como fazes aqui... muito bonito... :)

Beijinhos!!

teppefall disse...

'Mas quando nas mãos erradas, quando um Homem qualquer te toca, perdes o Céu que sinto nos teus braços.'Sensação corrosiva.. Mas está lá, uma das cláusulas do acordo que assinamos quando nos entregamos e dedicamos a alguém, a um laço.
Faz parte, dói, imagens em sons poluem-te o Céu, toques ou mais naquilo que 'é teu'. Nada o é, mas enfim, às vezes esquecemo-nos disso.
E o conselho (cliché, eu sei), não deites, não durmas, não sonhes, nem vivas em pesadelos. Caíste, esfolaste-te, so what? Lembras da história da menina grande e do rapaz pequeno?
Aqui é igual, levanta, abre a torneira e lava esse sangue seco! ;)

Um abraço!

Adomnán disse...

Gosto!

Rute disse...

Andaste a ler os rituais das fogueiras de Beltane!

Firefly disse...

Nahhh! Mas gostava de saber mais sobre esses rituais nus... LOL
Nepia, eu tenho a minha inspiração no dia a dia. Ou quando tou morto de sono e nao consigo dormir porque tenho demasiadas imagens na minha cabeça, que foi o caso.

Obrigado a todos os que comentaram =)
E sim, lembro-me bem dessa historia tep...

Nébula disse...

Fantástico!

GotchyaYinYang disse...

Cool!!!!! ADOREI!