domingo, 11 de janeiro de 2009

Opções

Por muito más ou boas que sejam as minhas escolhas. São completamente minhas. Eu opto todos os dias, escolho diferentemente consoante o que sinto. Não é fácil. Mas no fim, pelo menos, sei que me devo a mim próprio as minhas escolhas. Já não sou uma criança, apesar de por vezes gostar que os tempos em que tudo era fácil voltassem. Não volto ao ponto de partida. Tenho a minha vida. Sei o que gosto, de quem gosto, o que quero fazer comigo, por mim, ou por quem amo. Não aceito lições de vida, apenas as oiço, e se tiver que ser, discuto. Aceito perspectivas diferentes, mas espero que se lembrem que a minha vida é apenas minha para ser vivida. Não pretendo ser egocêntrico, não pretendo me afastar, não pretendo fugir. Pretendo desafiar-me. Não tenho remorços, sei o que quero. Não espero nada em troca. Não espero menos de mim do que o que peço aos outros. Sei que não posso pedir, sei que não devo criar esperanças. É um desafio. Uma etapa que pretendo ultrapassar, seja de que forma for. Sei que a vou ultrapassar, porque sei quem tenho junto ao meu coração. 
Agradeço a quem me apoia, apoiou, quem deu opinião contrária, quem me quiz, quem não me quer. Agradeço por tudo. Agora só falta crescer mais um bocadinho todos os dias e aconchegar junto ao coração os meus sentimentos pelas pessoas que amo. Não me digam que estou parado, não me digam que estou a andar depressa demais. O meu ritmo é o meu próprio.

4 comentários:

Rita disse...

MUITO BEM!!

Adoro-te muito, mesmo que estejas a centenas de quilómetros.

Agora querido, basta passar das palavras aos actos, que é o mais difícil: Um dia de cada vez é a melhor opção... a meu ver.

P.S. As saudades das sessões de sketches, que saudades.
Vou ter contigo um dia e vamos desenhar coisas lindas e diferentes.

Anônimo disse...

mai nada! a isso se chama viver... ás vezes nem eu sei o que é isso

até logo :)

Pedro (espero que saibas qual)

GotchyaYinYang disse...

Nem mais :)

a_Dreamer disse...

Parece-me uma filosofia de vida tão boa como qualquer outra... na verdade acho que o seu fundamento é bastante forte...
Eu penso sempre que a vida é muito pouco tempo e por isso a nossa única verdadeira «obrigação» deve ser a de tentarmos ser felizes... e isso passa realmente por nos proprios, por tomarmos a nossa vida nas nossas mãos...

abraço