terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Don't try to fix me, I'm not broken.

Os dias tornam-se, finalmente, mais longos. Mas as nuvens parecem-me cada vez mais negras. Terei feito algo que me ferisse, terei entrado em coma num dia e ferido alguém como nunca o fiz antes? Cosi certamente as nuvens umas às outras, num dia de desespero, e agora saboreio o amargo doce do isolamento. Tenho medo de abrir o meu bisturi, que se diz asséptico, com receio que a embalagem tenha se rompido no caminho para casa. Tirar os pontos para me fazer sentir melhor, para que não venham tantas nuvens carregadas brincar comigo no pátio. Fiz um erro um dia, tenho que o ter feito, e devo-o ter suturado a mim. Como um cancro. E não aguento mais a carga que me imponho.

4 comentários:

Nuno disse...

Coragem...

Rute disse...

Força! Essas nuvens negras não duram todo o sempre. De certo que encontrarás a melhor maneira de as fazer desaparecer. Seja como for estou sempre aqui para te apoiar! ;)

Adoro-te! *****

Papiro Papirus disse...

Estas metáforas parecem-me muito belas.
Já tinha lido quando te vi. Pensei que aquele silêncio podia ser o amontoado de nuvens escuras. Seja o que for, o amanhã, e depois e depois, virá. Outros dias virão. E o Sol está de regresso para te abraçar!

Ana Pena disse...

Amanhã é sempre um novo dia. Há sempre um dia em que não sentimos que estamos condenados, e em que limpamos toda a carga...! Eu sei que esse dia chegará para ti, e vais sentir-te melhor!até lá respira fundo (mtas vezes!!!) e tem sempre presente as pessoas que não hesitaram em acompanhar-te! Beijo grande*