sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Não sei.

Não sei de nada. Não me perguntes nada. Quanto mais queres saber, menos percebes. Sou útil na inutilidade.

Um comentário:

Nuno disse...

Às vezes sentimos que só conseguimos ser úteis nessas alturas... Seja por branqueamento cerebral, seja por haverem sentimentos a viajarem livremente no nosso espírito...

É deixar a fase passar. Se não passar olha... Azaritu =P

Abraços!