sábado, 14 de julho de 2007

Deuses

Os deuses desconhecidos resolveram brincar mais uma vez no seu jardim de infância. O carrocel não parou nem um segundo para respirarem, esquecendo-se do eterno mundo humano. Girando eternamente até mais não, ao infinito do zero. A curiosidade do omnipresente zero, pois é mais fácil imaginar a aproximação ao infinito do que imagina-la ao zero. Então os deuses, na sua sabedoria intemporal, limitaram a sabedoria humana a dois extremos bem juntos. Justo é o espaço entre eles, tão justo quanto um amor que não vê a luz do dia mas existe eternamente nos corações. E os deuses continuam na sua brincadeira, com litio a escorrer pelas narinas enquanto riem desesperadamente montados nos seus cavalos de madeira rachada e entorpecida.

Um comentário:

e.t. disse...

Mesmo bonito! A sério, escreves sempre coisas tão bonitas =) Só por aqui já se vê como és por dentro! =)

Abraçãooooo =)